sábado, 27 de maio de 2017

A tradição das madrinhas e do casamento nos EUA

Todos já viram nos filmes de Hollywood que as madrinhas de casamento nos EUA usam vestidos iguais, saiba o porquê.


Nas cerimônias de casamentos nos Estados Unidos, as madrinhas (bridesmaids), assim como os padrinhos (groomsmen) não são necessariamente formados por casais e se vestem com trajes iguais, de acordo com a vontade da noiva. Elas carregam bouquets menores que o levado pela noiva e todas com o mesmo modelo de vestido (inclusive a cor), assim como os homens que vestem o mesmo padrão de termo. Também existe a madrinha de honra que é chamada maid of honor e o padrinho de honra, ou the best man.  Geralmente essas madrinhas são amigas e familiares da noiva e os padrinhos são amigos e familiares do noivo, e cada um escolhe o seu grupo separadamente. E ao contrário de como ocorre aqui no Brasil, eles não ficam aos pares no altar: as mulheres se posicionam de pé enfileiradas ao lado da noiva e os homens fazem a fila ao lado do noivo. Os pais dos noivos ficam sentados na primeira fila.

Em muitas ocasiões, essas madrinhas e padrinhos não se conhecem e vão se ver pela primeira vez nos ensaios para o casamento. A quantidade de casais varia de acordo com o estilo de casamento e o gosto dos noivos. A madrinha mais próxima da noiva será selecionada para ser a sua madrinha de honra, conforme citado anteriormente, e o padrinho idem. Essa maid of honor ajudará na organização do chá de cozinha (bridal shower) e nos preparativos do evento, distribuindo as tarefas entre as outras madrinhas, como a prova do buffet, por exemplo. Já o best man auxiliará o noivo na escolha de roupas e outros detalhes para a data, e organizará junto com os padrinhos a despedida de solteiro. Mas você sabe o porquê dessas madrinhas usaram a mesma cor? A tradição é muito antiga.

A razão dessa tradição é mais histórica do que um simples capricho das noivas. Quem declara esse motivo é Hanne Blank, autora de 'Virgin: The untouched history (ou virgem: a história intocada). "O propósito dessas madrinhas se vestirem de maneira igual é resquício de uma tradição milenar em que essas mulheres possuem o papel de participar como protetoras da noiva contra espíritos malignos e também contra pretendentes rejeitados. Na tradição antiga, as madrinhas usavam a roupa igual a da noiva como tentativa de enganar tais espíritos e homens raivosos que poderiam perseguir a noiva para prejudicá-la."

No século XIX a participação das madrinhas no casamento era ainda mais importante. Elas acompanhavam a noiva até na sua lua de mel. Durante a antiguidade era muito comum que a noiva tivesse que percorrer longas distâncias a pé, desde a sua aldeia até a do noivo para o casamento. Essas madrinhas constituíam um grupo formado por jovens moças, vestidas de maneira semelhante e que acompanhavam a noiva nessa jornada perigosa, onde existia o risco de encontrarem ladrões e sequestradores pelo caminho.

As daminhas são chamadas de flower girls, e no lugar de um pequeno bouquet, elas levam uma cesta com pétalas de flor que vão jogando pelo caminho, desde a entrada até o altar. Os pajens são denominados ring bearers e carregam uma almofada com os anéis dos noivos. De acordo com a tradição nos Estados Unidos, esses anéis são diferentes e a noiva usa o seu anel de casamento juntamente com o de noivado, ambos na mão esquerda. Ainda tem a presença do usher (que não é o cantor), que possui a função de acompanhar os convidados de honra até seus lugares e indicar onde os convidados vão sentar durante a cerimônia. Bridal Party é o nome que esse grupo recebe.

Os casamentos realizados nos EUA são mais formais do que os realizados aqui no Brasil. Segundo a tradição, tudo começa com o pedido de noivado em que o noivo dá a noiva o famoso anel de diamantes (engagement ring), e após o pedido ser aceito, o casal envia um anúncio de noivado para a família, via correios, contendo a foto oficial dos noivos. Muitos casais, nesta ocasião, escolhem o fotógrafo que realizará as fotos do casamento porque esses profissionais costumam fazer um pacote que inclui as fotos do noivado e do casamento. Em alguns casos, também enviam as fotos do 'Save the date', que o casal envia antes dos convites para que os seus convidados possam marcar a data do casório com antecedência em seus calendários. Esse convite prévio não indica a hora nem o local do casamento pois tudo isto será especificado no convite oficial.

A data do grande dia é marcada de acordo com a disponibilidade do local escolhido que pode ser qualquer lugar (que não seja católico porque os EUA são um país tradicionalmente protestante): uma praça, uma praia, um parque ao ar livre, e até o quintal de casa. Tudo vai depender da criatividade dos noivos. Diferentemente de como ocorre no Brasil, os convites oficiais não são entregues pessoalmente, e sim pelos correios juntamente com um cartão para que o convidado da festa confirme a sua presença no dia e as pessoas o mandam de volta com a resposta no prazo de até um mês antes do dia do casamento. Nesse cartão também vem citadas as opções de menu da recepção para o convidado marcar a sua opção preferida, pois é comum os noivos escolherem mais de uma alternativa de cardápio para os convidados escolherem a que vão querer.

Na cerimônia, os noivos tem o costume de escrever os seus votos e normalmente entrega-se um programa falando um pouco sobre a vida de cada um dos nubentes, detalhando a cerimônia e as músicas escolhidas para o evento. Também existe o Unity Candle que consiste no ritual de acender uma vela antes do pastor declarar os noivos como marido e mulher. As mães dos noivos acendem uma vela cada simbolizando que elas deram a luz a cada um. No final, a noiva pega a vela que sua mãe acendeu e o noivo faz a mesma coisa e acendem uma única para indicar que agora estão unidos. Na recepção todos tem lugares marcados.

"Eu e Luke escolhemos um parque ao ar livre para realizarmos a tão aguardada cerimônia do nosso casamento. A data foi um final de semana do ano de 2003 e fazia um tempo muito bom, por isso achamos que o local optado seria o ideal e ainda tornaria a cerimônia mais romântica. Eu como brasileira e residente a pouco tempo nos Estados Unidos, resolvi fazer um casamento a moda do Brasil, com muitas flores e tal, o que combinaria com o lugar que havíamos escolhido. Um familiar do meu marido é florista e por isso fez um preço bacana para a gente. Mas isso não é comum aqui, os americanos não tem o hábito de decorar o ambiente com muitas flores porque o preço delas aqui é muito alto, principalmente as rosas, que são as mais caras de todas. E o que fiz questão de cortar foi o bolo na cara, simplesmente não gosto", disse a designer Lúcia Guimarães que se mudou para os EUA em 2001, onde se casou com o publicitário Luke Pierson. O casal vive atualmente no estado de Nova Jersey com seu 3 filhos.
#############################################################################
Visite também meus perfis nas redes sociais:
YouTube: Amanda Levita
Facebook: Entre Culturas
Twitter: twitter.com/amandalevita28
Instagram: instagram.com/amandalevita28
Google+: Amanda Levita